Pai ²

 
 Em algum momento entre uma conversa com uma amiga, ela surge com a seguinte pergunta: Este tempo estava lendo teu blog, teus textos, e admirei a tua capacidade sobre falar das tuas "perdas" em que consegue transmitir os sentimentos, a saudade.
   Logo me surpreendi, pois poucas pessoas do meu convívio, sabe a existência do blog, o que me deixou bastante feliz meus meros rascunhos, sendo admirado por colega, que até pouco tempo não passava de uma simples conhecida. Quando ela leu os posts eram sobre minha "mãe +3, e achei apenas um sobre o teu pai Ana,logo achei que ela estava enganada, e fui pesquisar olhar meus post mais antigo e realmente era verdade. 
    Então eu vi, que havia apenas um texto especifico com este titulo, "PAI" no começo me senti um pouco mal, mas depois parei para pensar, pesquisar fotos, e vi que os motivos que me levam a ter menos textos falando sobre a falta do meu pai, é que transmitia através dos meus irmãos, sobrinhos e por te- ló morrido tão cedo e eu lembre menos dele por isto, mas que eu não posso me sentir culpada, porque é algo que o destino reservou e tirou sem oportunidade de conhece ló bastante, viver, ter historias para contar ao contrario da minha mãe.
  Que as lembranças se perderam com o tempo, por eu ser tão pequena e ter apenas um ano e sete meses quando ele nós deixou, mas o que me liga a ele é a relação tão forte que tenho com meus irmãos, minha família paterna. E este amor é, incondicional, é o que está vivo no meu coração, um amor de filha-pai e pode ter certeza de onde ele estiver, eu sei que estará me cuidando e que é um amor que nunca morrerá. 
   Uma coisa eu tenho certeza que não precisa ser só em datas especiais, pra demostrar, escrever o que sentimos em relação ao nossos pais, porque as vezes a vida nós prega peças e temos que valorizar enquanto estão do nosso lado "VIVOS, porque as vezes quando menos esperamos eles podem partir e depois ser tarde de mais para arrependimentos, pedir perdão e dizer o quanto era importante, ensinamentos mas o que resta-rá é a SAUDADE.
    Observando, eu acho este texto guardado esperando a hora certa, um dia pra ser postado. E hoje(30.01.2014) eu encontro aqui, ele pronto no qual falava que hoje era dia da saudade, em alguns posts por ai, mas a saudade não tem dia, hora, data é todos os dias, relembrar de quem amamos, que nós faz falta ela chega e não pede licença ela simplesmente entra sem bater na porta e se senta junto com nós..
Ah, obs: Hoje 31/01/2014 faz 16 anos de tua partida, o que resta a todos aqui é muita saudade e de onde tu estiver a gente sabe que estará cuidando de nós.
                                    te amo eternamente! 



  

6 comentários:

  1. own, Annynha.. sabes que eu sei bem como tu se sente!
    Mas é tocar a vida pra frente e ser feliz como eu sei que eles iriam querer que fossemos. O que fica é essa saudade e esse amor imenso e eterno (:

    ResponderExcluir
  2. Deve ser difícil pra você, sinto muito e parabéns pelo texto tão lindo, bjs atravesdosespelhos.wordpress.com

    ResponderExcluir
  3. Independente da perda ela sempre será algo difícil com que lidar. O que nos resta é sempre lembrar dos bons momentos, mesmo que ele um dia não tenha acontecido. E pode ter certeza que o seu pai esta em lugar maravillhoso ao lado de Deus e sempre olhando por ti.

    Beijos Lúcida Gabriella
    http://lucidezfeminina.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Oii Aninha quanto tempo.
    Infelizmente não podemos fazer nada quando está na hora, só resta guardar os bons momentos vividos, mesmo que foram poucos.
    Fez um ano que minha avó faleceu e foi muito triste pois no dia quando soube da perda estava trabalhando.
    Nunca sei o que dizer, mais enfim..


    Kisu
    www.eraoutravez.com

    ResponderExcluir
  5. Das coisas que aprendi até hoje, a única que eu tenho certeza que nunca irei aprender é lidar com a falta que meu Pai me faz. Pode passar o tempo que for, me vejo com meus 80 anos, e ainda sim essa dor não ira passar.

    ResponderExcluir

Obrigado a todos que comentem, aos que me seguem e até mesmo os que visitam raramente, fazem parte da história deste blog!